Você não reconhece o que não conhece

 

 

Aprender, não é apenas acumular conhecimentos diversos, mas sim somá-los e resignificá-los com relação ao que já havia sido aprendido anteriormente. A cada nova aprendizagem ampliamos nossa visão de mundo, nossa maneira de pensar, sentir e agir.

Aquilo que ainda ainda não aprendemos fica invisível ao nossos olhos. Faz-se necessário buscar conscientemente o que ainda não vemos. Deixar a mente aberta, vislumbrar o desconhecido.

Deixo aqui uma frase de Einstein sobre isso:

“Tudo aquilo que o homem ignora não existe para ele. Por isso, o Universo de cada um se resume ao tamanho de seu saber.” Albert Einstein

einstein

 

Anúncios

O que o homem ignora não existe

“Tudo aquilo que o homem ignora, não existe para ele. Por isso o universo de cada um, se resume ao tamanho de seu saber.” Albert Einsteineinstein

Ainda sobre o falar!!

ainda sobre o falar!

Quem é você?

Publico aqui um inspirado texto que recebi de Ana Lúcia de Mattos Santa Isabel (www.orioncomunicacao.com.br) e a seguir frase de Kahlil Gibran:

“No sempre magnífico O Rei Leão , há uma cena em que o Xamã dá uma bastonada
no jovem Simba e exclama :
-Errou de novo. A pergunta é :   -Quem é você?.
Bem, na verdade, é esta a pergunta central de nossas existências e, se não
somos afortunados como o Jovem Rei por ter um Xamã por perto, sempre podemos
escolher e acolher um Coach.
O processo de Coaching pode sempre nos conduzir
à condição de Reis em nosso próprio Reino, ou seja, em nossa vida.
A opção contrária é , muitas vezes, como na poesia do filme, expressa de forma
dolorosa: uma terra calcinada, sem lei, sem rei.
Quando acordamos para o que somos , para nosso sentido de Missão, para a
assunção das rédeas de nossa vida, o Reino de nossa existência floresce.
Um dia de grandes descobertas para todos.”

“O conhecimento de si mesmo é a mãe de todo conhecimento. Portanto estou
incumbido conhecer a mim mesmo, me conhecer completamente, conhecer minhas
minúcias, minhas características, minhas sutilezas, e cada átomo meu.”
(Kahlil Gibran)