Como a vida profissional evoluiu

No decorrer das décadas, a vida profissional, o mercado de trabalho e principalmente o perfil do trabalhador foi mudando.

A cada década o foco era um e a cada década descobria-se que poderia ser melhor.

Deixo abaixo um incrível video sobre como foi a evolução dos trabalhadores, qual se´rá o próximo passo?

Anúncios

Ah! A Rachel

Rachel de Queiroz nasceu em Fortaleza em 17 de novembro de 1910, foi uma grande poetisa, romancista, jornalista, dramaturga, cronista e escritora.

Mas o principal, foi uma pioneira no mundo feminino:

primeira mulher Autora a ingressar na Academia Brasileira de Letras.

primeira mulher galardoada com o Prêmio Camões e a ingressar na Academia Cearense de Letras 

Clara sincera, desde cedo envolvida politicamente em causas sociais, por conta disso foi presa e teve seus livros queimados.

Detentora de inúmeros prêmios, teve uma enorme produção escrita em toda sua vida.

Verdadeira desbravadora, não se considerava feminista, apenas dizia que as mulheres deveriam ter oportunidades de evoluir assim como aos homens.

Rachel era simplesmente ela, transparente e vivida.

Deixo aqui uma poesia para lembrá-la e homenageá-la.

Geometria dos Ventos – Rachel de Quei´róz

“Eis que temos aqui a Poesia,
a grande Poesia.
Que não oferece signos
nem linguagem específica, não respeita
sequer os limites do idioma. Ela flui, como um rio.
como o sangue nas artérias,
tão espontânea que nem se sabe como foi escrita.
E ao mesmo tempo tão elaborada –
feito uma flor na sua perfeição minuciosa,
um cristal que se arranca da terra
já dentro da geometria impecável
da sua lapidação.
Onde se conta uma história,
onde se vive um delírio; onde a condição humana exacerba,
até à fronteira da loucura,
junto com Vincent e os seus girassóis de fogo,
à sombra de Eva Braun, envolta no mistério ao
mesmo tempo
fácil e insolúvel da sua tragédia.
Sim, é o encontro com a Poesia.”

5 dicas que esclarecem por que tudo parece estar dando errado

Você visualiza a resolução de um desafio, tem fé de que tudo irá se resolver´, e no entanto , parece que a situação só complica?

Não podemos saber como as situações irão ocorrer para que o que visualizamos possa se manifestar.

Por exemplo: você decide que quer mudar de emprego, e aí parece que começa a dar tudo errado no atual emprego, e você começa a pressionar a empresa que poderia te contratar, e com a pressão, nada da certo. Aí você começa a se apavorar.

Tudo isso está acontecendo :

  1. Para que  você se comprometa mesmo com o que está criando – CONFIE
  2. Para que você não fique na zona de conforto e desista de ir na direção de sua meta – O BOM É INIMIGO DO MELHOR
  3. talvez a empresa que você está pressionando ainda não seja a ideal para você. Provavelmente uma melhor está a caminho. Quando é o seu caminho, tudo flue.
  4. Para que você entenda que as conexões que o universo e sua energia criam não são necessariamente aquilo que você prevê –  O universo tem uma visão de contexto ampliada que não conseguimos captar – O COMO NÃO É A SUA PARTE. Lembre-se de um momento desafiador, onde as coisas não aconteceram do jeito previsto, mas que deu tudo super-certo no final. Só depois do ocorrido, você entendeu o porque de tantos “imprevistos.
  5. Agora que você ja entendeu, faça algo que te deixe bem e feliz, medite, caminhe por um lindo lugar, faça uma massagem relaxante, e você verá tudo isso sob um novo ponto de vista.

S´o recordando – você define a meta, coloca uma data, age em direção a mesma, visualiza diariamente a meta atingida com toda emoção de já ter conquistado, agradece pela conquista, e DEIXA O UNIVERSO AGIR E TRAZER AS CONEXÕES CERTAS.

Por isso, por pior que a situação esteja NESTE MOMENTO, Respire, confie, acredite, relaxe , confie, cuide de sua energia ,…

Ver corretamente

Você já pensou que o rosto que você mostra ao mundo nem sempre representa você?
sua essência? Quando você olha no espelho amorosamente, o que vê? O que mostra ao mundo?

Quero deixar aqui para reflexão uma poesia de Nick  Le Force – poeta transformacional da PNL http://www.nickleforce.com/poetry/

Eu olho no espelho e vejo não o rosto que me acostumei a ver,
Mas o rosto que eu posso nunca mais ver, e eu me pergunto:

É essa a memória que eu quero compartilhar com o mundo?

Essa não é uma questão da pele ser lisa ou jovem.
É a questão do quanto minha alma brilha através do rosto que eu coloquei para fora no mundo.
É a questão do quanto minha alma brilha através do rosto que eu coloquei para fora no mundo.

Aqueles que me enxergam corretamente não vão se importar com as rugas ou com o desgaste do tempo.

Eles não estarão preocupados com os problemas que encarei ou com os triunfos que desfrutei.

brilho nos olhosEles verão através da máscara, o espírito que se moveu nesse corpo e através desta vida.
Eles verão através da máscara, o espírito que se moveu nesse corpo e através desta vida.

Uma coisa eu te prometo. Eu treinarei os meus olhos para enxergar corretamente.
Eu irei te acolher como me acolho nesse espelho
Responsável por  apenas a paisagem que quer
O que vale é talhado, não é o passar pelas estações no mundo.
Mas pela maneira pela qual você se amou ou não se amou.

O que vale é talhado não pelo passado e por suas ações no mundo
Mas pela maneira pela qual você se amou ou não se amou.

Reflita:

Como você vê as pessoas, através da lente de seus julgamentos ou procura por aquilo que elas tem de melhor, sua essência, seu EU único.
E como você vê a você? o quanto você tem coragem para assumir todo seu brilho interior, toda sua luz, toda sua força e vida.
Como você se sente quando vê alguém que tem esse brilho nos olhos?

Encontre a si mesmo e seja esse brilho!!
Ame-se, aceite-se, seja!

 

 

Continua a carregar

Uma fábula do Zen budismo que se aplica ao nosso dia a dia

monge1Dois monges se preparavam para atravessar um rio, conhecido como o Rio da Discórdia, antes de subirem uma montanha, chamada de Montanha da Fé.

Um deles era novo e o outro velho.

Ao chegarem às margens do rio, os religiosos ficaram ao lado de uma moça muito bem vestida, que também queria chegar ao outro lado do rio, mas com um detalhe: sem se molhar!

Com um olhar, ela pediu ajuda ao monge mais novo.

Este desviou o olhar e seguiu pelo rio.

A mulher arrumou os cabelos, se abanou com um leque e dirigiu o seu pedido de ajuda com um profundo olhar para o monge mais velho.

Este não teve dúvida: pôs a moça nos ombros e atravessou o rio, carregando-a.

Do outro lado, satisfeita e seca, ela agradeceu o velho e olhou o mais novo com desdém.

Esse monge mais jovem olhou com indignação e raiva para o mais velho! O monge retribui aos dois com um olhar de compaixão e tranquila alegria.

Nem é preciso dizer que aquilo irritou ainda mais o mais novo!monge2

Os monges continuaram seu caminho rumo a Montanha da Fé. O novo carregava um semblante pesado e carrancudo e o velho levava com ele sua expressão de leveza e serenidade.

De acordo com as regras de sua fé, os monges não deveriam tocar as mulheres. Caminharam por horas, mas o monge mais novo ainda estava perplexo com a atitude do mais velho. Quando chegaram ao pé da montanha da fé, o jovem não agüentou mais e expressou seus pensamentos em voz alta:

– Você sabe muito bem que os monges não devem tocar as mulheres! Por que carregou aquela moça pelo rio?

– O mais velho olhou o mais novo com um semblante de alegria e desprendimento. Apenas respondeu: “Naquele momento, julguei que ajudar um outro ser humano sem julgá-lo fosse mais importante do que não tocá-lo. No entanto, eu larguei a jovem três horas atrás e a deixei às margens do rio. Por que você continua carregando a moça?”

O que você continua carregando que ficou lá atrás, no rio do passado?

Referências:

Contos Budistas recontados por Sherab Chödzin e Alexandra Kohn – trad. Monica Stahel – Martins Fontes, São Paulo, 2003
Ilustrações: Marie Cameron (in Contos Budistas – Sherab Chödzin e Alexandra Kohn – trad. Monica Stahel – Martins Fontes p. 24 e 25)