Viver !!! Renunciar !!!!! Escolher !!!!

pedrasediamante“Jamais uso a palavra renúncia.
O que digo é: goze da vida, do amor, da meditação,
das belezas do mundo, do êxtase da existência…

Transforme o mundano em sagrado. Transforma.
Transforma a Terra no paraíso.

E então, indiretamente, comece a produzir certa renúncia.
Mas é uma coisa que ocorre, não o faz você. Não é algo que você faz, é algo que ocorre.

Comece a renunciar a suas tolices, comece a renunciar ao lixo.
Comece renunciar às relações insensatas.
Comece a renunciar a trabalhos que não satisfazem seu ser.
Comece a renunciar a lugares aos quais não era possível o crescimento.

Mas eu não chamo a isso de renúncia. Chamo-o entendimento, consciência.

Se levar pedras na mão acreditando que são diamantes, eu não te direi que renuncie a essas pedras. Limitarei-me a te dizer: «Mantenha-se alerta e lance outro olhar.»

Se você mesmo descobrir que não são diamantes, que necessidade tem que renunciar a elas? Cairão de suas mãos por si mesmo.

De fato, se quer seguir levando-as terá que fazer um grande esforço, terá que aplicar muita força de vontade para seguir levando-as. Mas não poderá levá-las muito tempo; assim que tenha visto que são inúteis, que não valem nada, terá vontade de atirá-las.

E quando suas mãos ficarem vazias poderá procurar autênticos tesouros. E os tesouros autênticos não estão no futuro. Os autênticos tesouros estão aqui mesmo, agora. ”

OSHO

Trecho Extraído do Livro “Consciência: A Chave Para Viver em Equilíbrio”

Conhecer a si mesmo

E um homem disse: “Fala-nos do conhecimento de si próprio.”
E ele respondeu, dizendo:
“Vosso coração conhece em silêncio os segredos dos dias e das noites;
Mas vossos ouvidos anseiam por ouvir o que vosso coração sabe.
Desejais conhecer em palavras aquilo que sempre conhecestes em pensamento.
Quereis tocar com os dedos o corpo nu de vossos sonhos. E é bom que o desejeis.
A fonte secreta de vossa alma precisa brotar e correr, murmurando para o mar;
E o tesouro de vossas profundezas ilimitadas precisa revelar-se a vossos olhos.
Mas não useis balanças para pesar vossos tesouros desconhecidos;
E não procureis explorar as profundidades de vosso conhecimento com uma vara ou uma sonda,
Porque o Eu é um mar sem limites e sem medidas.

Não digais: ‘encontrei a verdade.’ Dizei de preferência ‘Encontrei uma verdade.’
Não digais: ‘Encontrei o caminho da alma.’ Dizei de preferência: ‘Encontrei a alma andando em meu caminho.’
Porque a alma anda por todos os caminhos.
A alma não marcha numa linha reta nem cresce como um caniço.
A alma desabrocha, qual um lótus de inúmeras pétalas.”

Extraído de “O Profeta” – Gibran Khalil Gibran