Amar

“Amar é um profundo desejo de abençoar a existência toda” OSHOamarosho

Viver !!! Renunciar !!!!! Escolher !!!!

pedrasediamante“Jamais uso a palavra renúncia.
O que digo é: goze da vida, do amor, da meditação,
das belezas do mundo, do êxtase da existência…

Transforme o mundano em sagrado. Transforma.
Transforma a Terra no paraíso.

E então, indiretamente, comece a produzir certa renúncia.
Mas é uma coisa que ocorre, não o faz você. Não é algo que você faz, é algo que ocorre.

Comece a renunciar a suas tolices, comece a renunciar ao lixo.
Comece renunciar às relações insensatas.
Comece a renunciar a trabalhos que não satisfazem seu ser.
Comece a renunciar a lugares aos quais não era possível o crescimento.

Mas eu não chamo a isso de renúncia. Chamo-o entendimento, consciência.

Se levar pedras na mão acreditando que são diamantes, eu não te direi que renuncie a essas pedras. Limitarei-me a te dizer: «Mantenha-se alerta e lance outro olhar.»

Se você mesmo descobrir que não são diamantes, que necessidade tem que renunciar a elas? Cairão de suas mãos por si mesmo.

De fato, se quer seguir levando-as terá que fazer um grande esforço, terá que aplicar muita força de vontade para seguir levando-as. Mas não poderá levá-las muito tempo; assim que tenha visto que são inúteis, que não valem nada, terá vontade de atirá-las.

E quando suas mãos ficarem vazias poderá procurar autênticos tesouros. E os tesouros autênticos não estão no futuro. Os autênticos tesouros estão aqui mesmo, agora. ”

OSHO

Trecho Extraído do Livro “Consciência: A Chave Para Viver em Equilíbrio”

Aceitação torna-se transformação

“Aceitação torna-se transformação. A rejeição nunca transforma nada. A rejeição apenas reprime; e aquilo que é reprimido se torna mais poderoso. Aquilo se move para as suas raízes, para seu inconsciente, para bem lá no fundo você; e começa a funcionar de lá. E dessa escuridão do inconsciente aquilo se torna mais poderoso. Agora, você não pode aceitá-lo, porque você nem sequer está consciente daquilo… A aceitação traz tudo para cima… Não há necessidade de reprimir.

Um milagre acontece quando você aceita a verdade. A própria aceitação o transforma. Através da rejeição você ficará aleijado. Aceite tudo – seja o que for. Não condene, não tente escapar. Se você tenta rejeitar, escapar você terá que fragmentar seu “ser” em departamentos, em fragmentos, em partes. E você fica aleijado. Apenas consegue-se ser feliz, quando se é integro. Ser fragmentado é ser incompleto e enfermo.
Você sabe que é avarento, você sabe que tem raiva, você sabe que é sexual e você aceita tudo isso como fatos naturais, sem nenhuma condenação. Não há necessidade de suprimi-los. Eles vêem para superfície da mente e, da superfície da mente, eles podem ser jogados para fora muito facilmente. Do centro profundo eles não podem ser jogados para fora. E quando eles estão na superfície, você está sempre consciente deles; mas quando eles estão no inconsciente, você se torna inconsciente.
A mudança começa quando você aceita um mesmo padrão. Então você já está mudando. Não condene, e virá a compaixão. Uma mente que não condena terá compaixão; uma mente que não condena terá uma aceitação profunda. A pessoa saberá que assim que a humanidade é; e assim que eu sou!”

OSHO

A árvore dos desejos

No conceito Védico indiano, o Paraíso é composto por Árvores dos Desejos.
Basta alguém sentar debaixo de uma delas e desejar qualquer coisa, que imediatamente o desejo se realizará, sem intervalo de tempo entre o desejo e a realização.
Conta uma velha lenda que, certa vez um homem estava viajando e acidentalmente, sentou-se em baixo de uma dessas Árvores dos Desejos. Sem nada saber sobre isso, e dominado pelo cansaço, o homem pegou no sono, à sombra de sua frondosa copa.
Quando despertou estava com muita fome, e então disse: – Estou com tanta fome!
Ah, como eu desejaria conseguir alguma comida agora! E imediatamente apareceu um prato de comida à sua frente, vinda do nada, simplesmente uma deliciosa comida, flutuando no ar. Ele estava tão faminto que não prestou atenção de onde viera a comida. Começou a comê-la assim que a viu. Somente depois que sua fome foi saciada é que voltou a olhar ao redor. Outro pensamento surgiu em sua mente: – Se ao menos eu conseguisse algo para beber… Imediatamente apareceram excelentes sucos e vinhos. Bebendo e relaxando na brisa fresca, sob a sombra da árvore, o homem começou a pensar: – O que está acontecendo? O que está havendo? Estou sonhando ou existem espíritos ao meu redor que estão fazendo truques comigo? E diversos espíritos apareceram.
O homem começou a tremer e novamente um pensamento surgiu em sua mente: – Serão esses espíritos perigosos?… Logo os espíritos se tornaram nauseantes, ferozes e começaram a fazer gestos ameaçadores para ele. – Ai, meu Deus!
Agora certamente eles vão me matar! E assim aconteceu…

Esta parábola tem apenas um significado: sua mente é a Árvore dos Desejos, e o que você pensa, mais cedo ou mais tarde, há de se realizar. Às vezes o intervalo entre o pensamento e o acontecimento é tão grande que nos esquecemos completamente que, de alguma maneira, desejamos o ocorrido. Mas, se olharmos profundamente, perceberemos que todos os nossos pensamentos, desejos, medos e receios estão criando nossas vidas.

“Todos nós temos  mentes “mágicas” 
capazes de manifestar externamente,
nossos desejos e pensamentos.

Estamos  fiando a trama de nossas vidas,
tecendo o mundo dentro e fora de nós,
sem ao menos termos consciência disso.

Sua vida está em suas mãos.

Você pode escolher transformá-la
num inferno ou num paraíso.

A responsabilidade é toda sua.
Isso depende somente de você!”

Osho