Você quer mudar? ou não?

O que está acontecendo?
Por que a negatividade, a falta de fé, de esperança e o desanimo estão se alastrando tanto?

Saimos na rua e dá para contar nos dedos o número de pessoas que fala algo de bom, de positivo, de agradável, e que está feliz.
A grande maioria apresenta apenas queixas e lamúrias.

Quando digo que é possível sim realizar mudanças na vida (inclusive ressalto que eu sou um exemplo vivo disso), muitos me olham incrédulos, como se isso fosse imponderável.

Como podem não ver que a vida que têm hoje é resultados das escolhas que fizeram no passado e que, do mesmo modo, poderão planificar uma vida diferente para o futuro?

Conheço algumas pessoas que se sentem amarradas aos seus cotidianos, às suas lutas e rotinas, extremamente infelizes, e que acreditam profundamente que nada pode ser mudado, que é o destino, que têm que aceitar e,… continuam reclamando.

O pior é que nem querem conversar sobre isso, não aceitam ajuda de um profissional coach que pode ajudá-las a encontrar outras opções, novas respostas e novos olhares para a sua vida.

Pense bem, quando você fez uma grande mudança em sua vida para melhor, como foi?
No início, fica-se um pouco balançado, mas depois, nem dá para acreditar que ficou tanto tempo para tomar coragem em mudar e é comum ouvir “ por que demorei tanto para fazer isso?”

Qual é o padrão que vem se repetindo constantemente em sua vida e que você quer mudar?

O que tem te deixado infeliz? O que você acredita ser impossível mudar?

Será mesmo impossível?

Mudar é bom, regenera a vida, rejuvenesce, motiva, traz felicidade, autonomia.

Não devemos temer a mudança.
Pequenas mudanças, pequenos hábitos alterados contem um grande poder de transformação.

Não protele! Experimente!

Eu garanto, todos estão prontos e são capazes  de realizar as mudanças a que se propõe!

Ser melhor, para depois agir e conquistar !!!

O processo de coaching é tranformador e auxilia a desenvolver um maior senso sobre si mesmo.

Conforme vamos em direção à conquista de nossas metas, notamos o que somos, quais nossas potencialidades e habilidades e também o que nos segura, nos limita,  como característica pessoal.

Isto é, surgem questionamentos:

– O que posso fazer para me tornar quem eu quero ser?

– Como posso SER melhor?

–  Como, sendo melhor, posso contribuir mais para o mundo em que vivo?

Diante essas questões, muitas vezes começam a aflorar:

– traumas e circunstâncias pendentes que trazemos da infância, alguns que nem sequer temos consciência ( baixa auto-estima, sentimentos de culpa ou de incapacidade,….)

– detectamos crenças que carregamos e que não nos servem mais  a serem resignificadas

– situações mal resolvidas com as pessoas.

– passamos a ter uma maior aceitação e perdão perante fatos passados: perdoar a si, a quem te magoou e pedir perdão a quem você magoou.

– começamos a observar mais nossa linguagem, nossos pensamentos, ações e sentimentos.
Como andam seus pensamentos e linguagem, você só reclama e vê o lado negativo da vida?
tem no futuro?

Conforme enfrentamos esses fatores, passamos a nos ver com mais compreensão e amor e consequentemente isso se transmite às pessoas ao nosso redor, libertando-nos da crítica e da fixação em ser perfeito e passando a adotar a filosofia do aprendizado/evolução constante e tranquila, sem cobrança , mas como um caminhar seguro ao futuro.

Passamos a sentir necessidade da conquista do equilíbrio, saúde, alegria, harmonia e amor,
de “faxinar“ tudo o que não serve mais em nossa vida com relação às áreas: emocional, mental, intelectual, hábitos e ações.

Começamos a incorporar novos hábitos de linguagem, de saúde, de pensamentos e de ação.
E, com isso nossa percepção de mundo amplia-se e ficamos muito mais felizes.

Se você sente que precisa se dedicar um pouco mais a você, faça isso. Crie um plano de ação para se renovar, para “faxinar” tudo o que te atrapalha, não postergue, não enrole, mais cedo ou mais tarde terá que enfrentar o que você carrega que não te serve mais, para depois, renovado, agir para conquistar tudo o que deseja.