Infeliz no trabalho?

Unhappy-at-WorkVocê está infeliz no trabalho e não tem feito nada a respeito?

Veja bem, você passa maior parte de sua vida no trabalho. É através de sua atividade profissional, como autônomo ou funcionário que constroe e deixa o seu legado no mundo.

Descobrir seus talentos e encontrar o lugar certo para você , fará com que você usufrua uma vida com uma enorme qualidade, pois não se sentirá trabalhando, fará suas atividades com prazer.

Como é levantar motivado pela manhã, empolgado com o que fará durante o dia?

Tudo começa com autoconhecimento, descobrir quem se é? Quais seus talentos e habilidades naturais. Qual sua visão de mundo e qual o lugar quer ocupar nesse mundo que acredita.

No meu trabalho de life coaching tenho atendido muitos clientes com essa questão de ser feliz no trabalho.

Os caminhos escolhidos após o processo são os mais variados.

Alguns descobrem que queriam apenas trocar de cargo ou departamento, seus talentos estavam subutilizados. Gostavam e se identificavam com a empresa, mas exerciam um cargo que não estimulava seu crescimento profissional.

Alguns descobrem que amam o que fazem, porém querem trabalhar numa empresa com uma ideologia e valores mais próximos aos seus.

Outros viram a mesa e começam do zero uma nova profissão como funcionários ou como empresários.

De qualquer forma, nenhum deles se arrepende de ter conseguido fazer a mudança que foi cuidadosamente estruturada com o meu apoio como coaching. Ganharam realização, desafios com prazer, saúde, maior felicidade e motivação.

Por isso, se você está infeliz no trabalho, faça alguma coisa. Agende uma sessão sem compromisso. (11) 9 9806 6308

E agora? o que vai querer dizer?

gangesAconteceu: Buda estava sentado embaixo de uma árvore falando aos seus discípulos. Um homem se aproximou e deu-lhe um tapa no rosto. Buda esfregou o local e perguntou ao homem…

– E agora? O que vai querer dizer?

O homem ficou um tanto confuso porque ele próprio não esperava que, depois de dar um tapa no rosto de alguém, essa pessoa perguntasse: “E agora?” Ele não passara por essa experiência antes. Ele insultava as pessoas e elas ficavam com raiva e reagiam. Ou, se fossem covardes, sorriam, tentando suborná-lo. Mas Buda não era nem uma coisa nem outra; ele não ficara com raiva nem ofendido, nem tampouco fora covarde. Apenas fora sincero e perguntara: “E agora?” Não houve reação da sua parte.

Os discípulos de Buda ficaram com raiva, reagiram. O discípulo mais próximo, Ananda, disse:

– Isso foi demais: não podemos tolerar. Buda, guarde os seus ensinamentos para o senhor e nós vamos mostrar a este homem que ele não pode fazer o que fez. Ele tem de ser punido por isso. Ou então todo mundo vai começar a fazer dessas coisas.

– Fique quieto – interveio Buda – Ele não me ofendeu, mas VOCÊ está me ofendendo. Ele é novo, um estranho. E pode ter ouvido alguma coisa sobre mim de alguém, pode ter formado uma idéia, uma noção a meu respeito. Ele não bateu em mim; ele bateu nessa noção, nessa idéia a meu respeito; porque ele não me conhece, como ele pode me ofender? As pessoas devem ter falado alguma coisa a meu respeito, que “aquele homem é um ateu, um homem perigoso, que tira as pessoas do bom caminho, um revolucionário, um corruptor”. Ele deve ter ouvido algo sobre mim e formou um conceito, uma idéia. Ele bateu nessa idéia.

“Se vocês refletirem profundamente”, continuou Buda, “ele bateu na própria mente. Eu não faço parte dela, e vejo que este pobre homem tem alguma coisa a dizer, porque essa é uma maneira de dizer alguma coisa: ofender é uma maneira de dizer alguma coisa. Há momentos em que você sente que a linguagem é insuficiente: no amor profundo, na raiva extrema, no ódio, na oração.

Há momentos de grande intensidade em que a linguagem pe impotente; então você precisa fazer alguma coisa. Quando vocês estão apaixonados e beijam ou abraçam a pessoa amada, o que estão fazendo? Estão dizendo algo. Quando vocês estão com raiva, uma raiva intensa, vocês batem na pessoa, cospem nela, estão dizendo algo. Eu entendo esse homem. Ele deve ter mais alguma coisa a dizer; por isso pergunto: “E agora?”

O homem ficou ainda mais confuso! E buda disse aos seus discípulos:

– Estou mais ofendido com vocês porque vocês me conhecem, viveram anos comigo e ainda reagem.

Atordoado, confuso, o homem voltou para casa. Naquela noite não conseguiu dormir. (…)

Na manhã seguinte, o homem voltou lá e atirou-se aos pés de Buda. De novo, Buda lhe perguntou:

– E agora? Esse seu gesto também é uma maneira de dizer alguma coisa que não pode ser dita com a linguagem. (…) – Voltando-se para os discípulos, Buda chamou: – Olhe, Ananda, este homem aqui de novo. Ele está dizendo alguma coisa. Este homem é uma pessoa de emoções profundas.

O homem olhou para Buda e disse?

– Perdoe-me pelo que fiz ontem.

– Perdoar? – exclamou Buda. – Mas eu não sou o mesmo homem a quem você fez aquilo. O Ganges continua correndo, nunca é o mesmo Ganges de novo. Todo homem é um rio. O homem em quem você bateu não está mais aqui: eu apenas me pareço com ele, mas não sou mais o mesmo; aconteceu muita coisa nestas vinte e quatro horas! O rio correu bastante. Portanto, não posso perdoar você porque não tenho rancor contra você.

“E você também é outro”, continuou Buda. “Posso ver que você não é o mesmo homem que veio aqui ontem, porque aquele homem estava com raiva; ele estava indignado” Ele me bateu e você está inclinado aos meus pés, tocando os meus pés; como pode ser o mesmo homem? Você não é o mesmo homem; portanto, vamos esquecer tudo. Essas duas pessoas: o homem que bateu e o homem em quem ele bateu não estão mais aqui. Venha cá. Vamos conversar.”

Interessado em estabelecer parcerias?

Ola

Se você tiver uma empresa nas imediações da Vila Mascote, Campo Belo, Brooklin e Berrini. Venha conversar conosco para estabelecer parcerias de desconto para seus funcionários.

Um funcionário saudável, feliz, motivado, que tenha plena clareza dos recursos internos que possui e do que falta desenvolver, será bem mais produtivo e trará um crescimento rápido.

Agende uma reunião

(11) 50529682 contato@andreabertoncel.com.br

A sua biografia

Tendemos a pensar que nossa vida é igual aos demais que nos cercam , afinal todos nascemos, crescemos, estudamos, constituimos familia,……. e um dia morremos.

Porém não é assim. Apesar de nossa biografia (escrita da vida) ser marcada com fases comuns com outras pessoas, cada biografia é única. Ninguém teve as mesmas vivências, aprendizados, experiências que você. Nesse exato momento você está escrevendo sua biografia, tem consciência disso?
A cada fase estamos focados no desenvolvimento e conquista de determinadas habilidades e competências. Há o momento do desenvolver o físico, outro para o psicológico, outro para o interior…

Existem muitas classificações e divisões sobre as características das diferentes fases da vida, em setênios, em nonênios e em intervalos de 21 anos. Quero deixar aqui uma reflexão sobre 4 grandes etapas da vida, divididas em períodos de 21 anos.

Essas grandes fases tem um profundo vínculo com processos naturais . Trago aqui um exemplo : comparar a vida com as Estações do ano.

As Quatros Estacoes Primavera Verao Outuno Inverno

Primavera – Época de florescer – desenvolvimento e crescimento físico e mental, isso se dá desde o nosso nascimento. Observe a leveza e fluidez das crianças brincando imaginativamente. Essa atmosfera primaveril se estende até por volta dos 21 anos.
Verão – é a estação onde as plantas se expandem em sua totalidade – dos 21 aos 42 anos – expansão máxima em todos os sentidos – família, trabalho, amigos, conquistas,… Consolidar seu lugar no mundo e expansão de potencial. Desenvolvimento psicológico.
Outono – surge um novo colorido, é a estação onde frutos amadurecem começando um declínio da vitalidade das plantas e as folhas se tingem de vermelho, podemos comparar essa estação do ano à fase dos 42 aos 63 anos onde os filhos, netos e a carreira estão consolidados; Desenvolvimento espiritual ( não no sentido religioso, mas no sentido de ver que existe algo além de você), contribuição, significado.
Inverno – Busca da essência, muitas árvores só são reconhecidas quando todas as suas folhas caem, as sementes caem no chão e lá estão à espera de uma nova primavera. Após os 63 anos de idade. Interiorização – preocupação apenas com o que realmente é essencial. VIver a essência, a luz interior.

Em qual período você se encontra?

 

 

 

Para o dia das mães

Ame, compartilhe, apoie, harmonize, perdoe, compreenda, por que mãe, não dura para sempre!

Aproveite o convívio com sua mãe. Se ele não for dos melhores, há uma razão.
Tenha a certeza de que ela está fazendo o melhor que poder perante suas
vivências do passado. E estou certa de que você também está fazendo o
melhor que pode. Falo com o coração aberto, eu tive muitos conflitos com
minha mãe e hoje, gostaria muito de tê-la ao meu lado, e de ter me harmonizado
com ela a mais tempo. Por isso, não perca tempo, divirta-se ,ame, curta, suplante
seus conflitos e dores com ela, por que ela não irá viver para sempre!!!

mae